Jader Barbalho - "A UEPA foi criada para que todo jovem paraense tenha acesso ao ensino superior" Buy Viagra Ebay Buy Prednisone With Paypal Buy Tretinoin Buy Valtrex For Cheap

Categorias

Mais Lidas

“A UEPA foi criada para que todo jovem paraense tenha acesso ao ensino superior”

A Universidade do Estado do Pará acaba de completar 26 anos apostando em novos projetos, na ampliação de suas atividades acadêmicas e em um maior envolvimento com a sociedade paraense. Criada em 18 de maio de 1993, pelas mãos do então governador Jader Barbalho, a universidade está presente em 17 municípios do Estado e mantém cerca de 17 mil alunos matriculados nos 31 cursos de graduação presencial e a distância, e nos de pós-graduação Lato e Stricto Sensu. A meta agora é investir na ciência, e para isso a UEPA quer contar com o apoio da bancada federal do Pará.

Na semana passada, o diretor de Apoio à Extensão da Universidade, Osvando dos Santos Alves, esteve no Congresso Nacional buscando apoio para os novos projetos. Em visita ao senador Jader Barbalho (MDB), o professor teve a oportunidade de apresentar um relatório com o trabalho que já foi feito nos últimos anos, e os desafios e propostas para o futuro da UEPA.

“Foi muito importante receber em meu gabinete a visita de um representante da UEPA, universidade que criei quando fui governador do Pará. É muito bom saber que, graças ao formato com que foi criada na época, a instituição tem permitido que milhares de jovens paraenses tenham acesso ao ensino superior gratuito de qualidade” comemorou o senador.

Jader Barbalho disse que a UEPA foi criada para que o acesso aos cursos oferecidos fosse priorizado para alunos de baixa renda e oriundos de escolas públicas. No último vestibular, por exemplo, 64% dos aprovados saíram de escolas públicas e 85% dos inscritos foram isentos da taxa de inscrição, ou seja, comprovaram que eram alunos de baixa renda.

“É reconfortante poder participar da vida acadêmica da UEPA. Quando vejo a juventude de todo o país nas ruas, defendendo a educação, o ensino público gratuito e de qualidade, remeto minhas lembranças ao ano de 1993, quando criei a Universidade do Estado do Pará, cujo objetivo era exatamente esse, dar a todo jovem paraense a oportunidade de poder ter acesso ao ensino superior, poder realizar sonhos e transformar vidas, independentemente da classe social, raça ou cor. Essa sempre foi minha meta, meu desejo”, disse o senador ao receber o professor Osvando Alves.

APOIO DA BANCADA FEDERAL

O senador firmou o compromisso de contribuir para que a bancada federal do Pará absorva a importância de ajudar a universidade estadual a ampliar os projetos para o ano de 2020. Para isso, segundo informou, vai conversar com os coordenadores da bancada, senador Zequinha Marinho (PSC) e deputado federal Eder Mauro (PSD), para apresentar as principais demandas da universidade.

Entre as demandas apresentadas pela UEPA está a de ampliar o trabalho na área da ciência e produção do conhecimento junto à comunidade amazônica. Esse trabalho, de acordo com o professor, tem sido possível graças à manutenção do Centro de Ciências e Planetário do Pará (CCPP), que recebe cerca de 50 mil pessoas por ano nas sessões da Cúpula Kwarahy, oficinas e exposições centradas nas áreas de Biologia, Física, Matemática, Química, Geologia e Astronomia.

Único da região amazônica, criado em 1999, o Planetário do Pará desenvolve ações educativas com o objetivo de difundir, promover e aplicar o conhecimento em Ciências, por meio da interação com os visitantes. Na Cúpula, é possível se imaginar em pleno

Um planetário é um local onde ocorrem apresentações sobre astronomia, e que simula o céu, colocando o expectador como se ele estivesse em pleno espaço celeste, com a oportunidade de explorar planetas e estrelas. Normalmente, é constituído por uma abóbada ou cúpula e por uma máquina colocada no seu centro, que projeta os diferentes objetos celestes.

O Planetário do Pará é considerado um dos 10 museus mais visitados do Brasil. Recebe grupos de estudantes desde o ensino infantil até o médio para conhecer as instalações que demonstram na prática o que é aprendido em sala de aula. A maior parte dos estudantes não consegue compreender o porquê de aprender ciências, geografia, física ou astronomia. Assim, eles poderão perceber a ciência de uma forma totalmente nova.

O Planetário, segundo informou o senador Jader Barbalho, precisa renovar os equipamentos que permitem todo o trabalho de educação e interação com os estudantes e com os visitantes que comparecem ao local. “É uma demanda para o próprio Estado. O Pará é o único estado, em toda região amazônica que tem um planetário em atividade permanente, que recebe visitas não apenas de todas as regiões, mas também de toda a Amazônia Legal. Estamos incentivando e despertando o conhecimento das crianças para a ciência, a matemática, a física e a criatividade. Isso não tem preço”, destacou Jader Barbalho.

LICEU DE MÚSICA

Outra atividade acadêmica que mereceu a atenção do senador foi a formação do Liceu de Música de Bragança, administrado pela Universidade do Estado do Pará, que vai ofertar cursos livres gratuitos em música, como canto coral, flauta doce e formação teórica para bandas.

“O paraense tem a musicalidade no sangue. Temos talentos natos. A qualidade e diversidade dos ritmos regionais é única e criar incentivo é fundamental. Confesso que fiquei bastante entusiasmado ao tomar conhecimento de que teremos um Liceu de Música, que necessita agora do nosso apoio para comprar instrumentos” informou Jader Barbalho.

UEPA NAS COMUNIDADES

O diretor da UEPA também apresentou as ações desenvolvidas pela universidade junto à população paraense. O Projeto UEPA nas Comunidades é um conjunto de ações sociais e educativas de atendimento direto à população com serviços básicos como atendimento na área da saúde.

A mais recente foi realizada em Bujaru, no dia 19 de maio, e reuniu cerca de 70 voluntários, entre médicos e acadêmicos dos cursos de Medicina, Enfermagem, Educação Física, Fisioterapia e Música da Uepa. A equipe ofereceu à população da cidade, colônias e ramais, serviços de orientação postural, orientação jurídica, aferição de pressão, atividades físicas, exame de glicemia, preventivo (PPCU), tipagem sanguínea, atendimento em clínica médica, mastologia, ginecologia, ortopedia, cardiologia e neurologia. De 10h às 13h30 foram contabilizados 1.672 atendimentos.

Os serviços foram prestados, simultaneamente, no Centro Social da Paróquia São Joaquim, na Escola Municipal São Joaquim e no Consultório Móvel, todos localizados no centro de Bujaru. Houve também uma oficina de violão oferecida pelos acadêmicos de música, em uma igreja evangélica.

UEPA ZIKA ZERO

Neste domingo, o Projeto Uepa nas Comunidades acontece, de 8h as 12h, e é intitulado de Uepa Zika Zero. A atividade irá orientar os moradores e estudantes das escolas localizadas em torno do Centro de Ciências e Planetário sobre as formas de combate, proliferação do mosquito Aedes Aegypti, e a prevenção conta o H1N1. A ação se estenderá aos demais campi, conforme informou a assessoria da Universidade.

Ainda de acordo com a assessoria, a UEPA mantém o Centro Saúde Escola do Marco (CSE), uma unidade de ensino e assistência com características organizacionais de policlínica, com atendimento em vários níveis de complexidade, entre eles, o da atenção básica e de especialidades. A equipe, de acordo com a universidade, é multiprofissional composta por médicos, clínicos, ginecologistas e obstetras, assistente social, nutricionista, psicólogos, dentistas, educador físico, laboratórios de análises clínicas e patológicas.

De acordo com a assessoria, o Centro de Saúde Escola atendeu, em 2017, 245 mil pessoas e em 2018, 260 mil pacientes.